Projeto “Através da Miragem” realiza Mostra de Processo nas Rotas de Criação do Laboratório de Dança

A atividade, gratuita e aberta ao público, ocorre na sexta-feira, 13 de janeiro, na Sala de Dança da Porto Iracema




Cultura, Teatro

Artistas do Laboratório de Dança da Escola Porto Iracema das Artes apresentam a Mostra de Processo “Investigações em Dança do Ventre”, seguida de roda de conversa. A atividade faz parte das Rotas de Criação do projeto “Através da Miragem” e ocorre na sexta-feira, 13 de janeiro, às 19h, na Sala de Dança Wládia Torres, na Porto Iracema das Artes. A programação é gratuita e aberta ao público.

As Rotas de Criação são momentos de partilha (2 xs?) pública dos processos e pesquisas desenvolvidos nos Laboratórios de Criação da Porto Iracema das Artes. O projeto “Através da Miragem – Investigações em Dança do Ventre” está sendo desenvolvido pelas artistas Mel Rayzel, Laris Biano e Tatiana Dourado com tutoria de Márcia Mignac.

O projeto “Através da Miragem” investiga a trajetória da dança do ventre entre as linhas imaginárias das fronteiras e dos territórios traçados nos/ dos corpos femininos que a compõem.

O Programa de Laboratórios de Criação da Porto Iracema das Artes tem o apoio da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), e das empresas Dass, Democrata Calçados e Neorubber e Termaco, com Parceria da BG Soluções Sociais, via Lei Federal de Incentivo à Cultura, da Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

Quais miragens nos recusamos a transpor na dança? A pesquisa investiga as fronteiras e territórios desenhados na trajetória da dança do ventre entre as linhas imaginárias dos corpos que a compõem, traçando um paralelo entre a realidade e os atravessamentos imagéticos das mulheres deste nosso tempo. Uma busca em instigar novos e futuros espaços criativos dentro da dança do ventre.

Márcia Mignac é doutora em Comunicação e Semiótica PUC/SP, Mestre em Dança PPGDANÇA/UFBA e Licenciada em Dança/UFBA. É professora Associada I, da Escola de Dança da UFBA (Graduação e Pós-graduação (PPGDANÇA) e investiga as interfaces entre biopolítica, danças orientais (danças do Ventre/K-pop), orientalismo, gênero e feminismos. Responsável pelo Grupo de Pesquisa Ágora: modos de ser em dança (CNPQ/UFBA), no qual desenvolve os seguintes projetos: “Sintomas do corpo: materialidades biopolíticas e regimes de afeto” e “Oriente-se: Danças do Ventre, Orientalismo e Decolonialidade”.

Via Assessoria