Teatro de inclusão

A acessibilidade ainda está distante na nossa cultura. Nosso Cariri ainda está longe de uma cultural acessível. Ainda representamos várias regiões brasileiras que não têm cinema, teatro ou museus oferecendo a audiodescrição para deficientes  visuais. Em um mundo em que tudo é construído e planejado para quem dispõe de todos os cinco sentidos em perfeito estado, é ‘comum’ que …

A acessibilidade ainda está distante na nossa cultura. Nosso Cariri ainda está longe de uma cultural acessível. Ainda representamos várias regiões brasileiras que não têm cinema, teatro ou museus oferecendo a audiodescrição para deficientes  visuais.

arlet

Em um mundo em que tudo é construído e planejado para quem dispõe de todos os cinco sentidos em perfeito estado, é ‘comum’ que o diferente seja ignorado, esquecido, que não seja sequer cogitado.

Já em São Paulo e no Rio, algumas salas de cinema, por exemplo, oferecem o serviço de audiodescrição para pessoas com deficiência visual. Imagine poder apenas ouvir um espetáculo de teatro ou de cinema. Assim como outras formas de entretenimento, como programas de televisão e espetáculos de dança, o cinema é construído para quem vê. O silêncio entre as personagens, a transição de uma cena para outra e até a trilha sonora que sobe gradativamente para criar tensão não funcionam sem estarem associados à imagem. Essa barreira manteve e ainda mantém muitos deficientes visuais longe de nossos produtos culturais.

Desejo que algum dia possamos ir ao teatro e ter acesso a um fone de ouvido, sentar na poltrona e ter uma identificação em Braille e lugares marcados pra cadeirantes… Enfim, que se ofereça o acesso à Arte para pessoas deficientes como qualquer para outra pessoa.

Os deficientes existem e consumem cultura, porque alguns têm mesmo condições: não é esmola. A prova disso é que os projetos que existem têm adesão.

Para mim, mais importante ainda é mostrar que a acessibilidade é um investimento porque é pública, que existe também na legislação. A acessibilidade é um direito, e isso não tem que ser discutido. Se é direito e é legal, é necessário que as instituições privadas e, principalmente, as públicas, entendam que não é favor.

Texto de Arlet Almeida

Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Jimmy Macedo
Carregar Mais Em Cultura

Comente

Your email address will not be published.Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre Jimmy Macedo

Profissional de marketing digital e nerd de carteirinha desde que nerd era xingamento. Amante de música e cinema, idealizou o Foobá para colaborar de forma efetiva com o cenário que tanto o diverte e inspira.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.

Instagram

Instagram has returned invalid data.

Siga-nos!