Travesthriller: Artistas caririenses fazem financiamento coletivo para finalizar curta

O projeto Travesthriller nasceu da vontade de Orlando Pereira e Nívia Uchôa de construírem um trabalho voltado para o tema das travestis, visto que realizam pesquisas na área há algum tempo e realizaram os filmes “Também Sou Teu Povo”e “Quero Viver Igual a um Beija Flor”, ambos documentários. Dessa vez os diretores se encontraram para realização …




Travesthriller O projeto Travesthriller nasceu da vontade de Orlando Pereira e Nívia Uchôa de construírem um trabalho voltado para o tema das travestis, visto que realizam pesquisas na área há algum tempo e realizaram os filmes “Também Sou Teu Povo”e “Quero Viver Igual a um Beija Flor”, ambos documentários. Dessa vez os diretores se encontraram para realização de uma ficção, cujo mote surgiu a partir de um cordel da amiga e professora Salete Maria intitulado “O MILAGRE TRAVESTHRILLER: A HISTÓRIA DA TRAVESTI QUE (COM FÉ) ENGRAVIDOU”, assim mesmo escrito em caixa alta. O cordel foi escrito para a realização do filme. Travesthriller é Absurdo teatrado! O processo de criação da obra Travesthriller se deu entre amigos, amigas, alguns profissionais da área, outros amadores, os quais dividiram tarefas e de forma espontânea, ajudaram na realização do curta a partir de laboratório. A forma independente de trabalhar aconteceu como proposta de acreditar que podemos fazer trabalhos artísticos que não dependam de editais, na possibilidade de artistas independentes construírem suas próprias linguagens, conceitos e atitudes. Os organizadores preveem o valor de R$11.315,00 para a pós-produção do curta. Esse valor será gasto com: Produção (transporte, alimentação, cachês); Edição vídeo e tratamento de imagens; Edição e tratamento de som; Edição making of; Design de cenas Legendas para língua Inglesa; Impressão de mídias; Distribuição da obra. Para a Fotógrafa e idealizadora do projeto, Nivea Uchôa o projeto tem uma proposta bem interessante, pois a temática tem haver com a vontade de uma travesti engravidar e que certamente é impossível, mas, que o filme traz esse imaginário questionador porque uma travesti não pode engravidar? Ela afirma ainda que foi uma realização pessoal fazer a codireção e a fotografia desse projeto. Contribua acessando a página do projeto no Catarse clicando aqui.

Sobre Jimmy Macedo

Profissional de marketing digital e nerd de carteirinha desde que nerd era xingamento. Amante de música e cinema, idealizou o Foobá para colaborar de forma efetiva com o cenário que tanto o diverte e inspira.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.